João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


O DEMÔNIO DE NIETZSCHE

 
Ás vezes acordo com o demônio do Nietzsche soprando no meu ouvido: “ hás de viver por toda a eternidade esse mesmo momento.” Talvez esse seja um mal de quem consegue chegar à terceira idade. Quem vive tanto tempo sempre tem a impressão que já passou pelo mesmo momento muitas vezes.

O eterno retorno é um fato. Se não for, é a minha mente que está me pregando uma peça, fazendo-me voltar, por exemplo, aos idos de 1966,  quando era adolescente e assistia, inconformado, a nossa seleção de futebol, depois de dois títulos mundiais conquistados, dar o maior vexame na Inglaterra, voltando para casa desclassificada na primeira fase da competição. Pensei que nunca veria uma seleção brasileira pior do que aquela, mas me enganei. A do Filipão, em 2014, a superou em tudo que pode haver de ruim.
Há outros paralelos que não podem ser esquecidos. Em 1966 a ditadura ainda não havia sido instalada. Os milicos haviam se apropriado do governo em 1964, mas todo mundo esperava que eles fossem verdadeiros democratas que só tinham assumido o poder para resolver a bagunça que o Jango instalara no país. Igualzinho ao que os petistas e o PMDB fizeram agora. Todo mundo achava que eles iam devolver logo o poder aos civis, depois de fazer uma limpeza no mundo político, que, diga-se de passagem, era um lixo só.  Como agora.
Mas todos sabem o que aconteceu. Foi tanta gente brigando por uma fatia do bolo, que quem tinha a faca (e as armas) gostou da fruta e resolveu não dividir com ninguém: daqui não saio, daqui ninguém me tira. E o país teve que curtir mais de vinte anos de ditadura militar. 
Escrevo este texto pensando no que vai acontecer ao país se as coisas seguirem o rumo previsível.  Metade do Congresso Nacional está sendo processada. A outra metade é constituída de gente nova buscando espaço. Farão qualquer coisa para obtê-lo. O Bolsonaro lembra o Collor querendo mudar tudo. O Collor tinha um irmão maluco que acabou derrubando-o. O Bolsonaro tem os filhos, que ao que parece, ainda vão espalhar muita caca no ventilador do pai.
Os militares estão de volta ao poder. Pelo voto direto. Mas se o Congresso e o STF começarem a botar areia nas intenções deles, o que poderá acontecer? Há um cheiro de mil novecentos e sessenta e quatro no ar. E para piorar, tem essa seleçãozinha do Tite. Será que o maluco do Nietzsche tinha razão? Estamos mesmo condenados a viver eternamente o mesmo momento? Alguém já disse que é o vai e vem das ondas, com seu imutável marulho, que fabrica as pedras da praia. Mas até as pedras cansam. Confesso que já estou cansado disso. Gostaria mesmo é que algo diferente acontecesse para quebrar de vez esse eterno padrão de macunaimisse que, ao que parece, estamos condenados a viver neste paraíso dos trópicos.
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 22/01/2019
Alterado em 22/01/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras