João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


“POR FORA, BELA VIOLA, POR DENTRO PÃO BOLORENTO”.
 
Se quem não deve não teme, como diz o ditado popular, o senador Flávio Bolsonaro deve estar muito temeroso. Se não estivesse, por que apelaria para um recurso tão antiético e suspeito como reivindicar o instituto do foro privilegiado, no caso que envolve o seu assessor, Fabrício Queiróz? Causa estranheza que um senador que se elegeu prometendo combate à corrupção, respeito à ética e o exercício honesto e comprometido com a causa pública, antes mesmo de ocupar a cadeira a ele concedida por um povo farto de desonestidade e imoralidade, já de início, comece por mostrar que, que no fundo, em nada difere dos demais políticos que o eleitor tem condenado de forma tão veemente.
A Família Bolsonaro, a começar pelo presidente eleito, Jair, o Messias(que não se perca pelo nome), é hoje o mais bem aquinhoado clã da política brasileira. Praticamente a família inteira exerce algum cargo público, o que significa que todos são, indistintamente, funcionários públicos. Diga-se, a bem da verdade, que alguns deles, como o próprio presidente e seus filhos, senador e deputado Bolsonaro, conquistaram esse direito em eleições livres e democráticas.
É possível que não exista nada de errado na movimentação financeira do assessor do senador Flávio Bolsonaro. Mas se não há, o senador está agindo como se tivesse muito a esconder. E o referido assessor também. Até agora ninguém teve coragem de apresentar-se frente às autoridades para prestar algum esclarecimento sobre o caso. Ao contrário, todos têm fugido do caso como o diabo da cruz.
É, de fato, muito suspeito tudo isso. Principalmente considerando que o senador Bolsonaro sempre foi um dos políticos que mais condenou o famigerado instituto do foro privilegiado. E agora, é justamente a esse odioso recurso que ele recorre para evitar uma investigação que ele, como homem público, deveria exigir.
Se de um lado o governo Bolsonaro começou dando alguma esperança ao povo brasileiro no campo da economia e da administração pública, eliminado gargalos que impedem o nosso desenvolvimento e emperram o funcionamento do Estado, essa escorregada do senador é muito preocupante do ponto de vista ético. Será que todo o discurso da família Bolsonaro, sobre combate à corrupção, moralização administrativa, honestidade e probidade no trato da coisa pública só vale para os outros e para eles não?
Lula está preso em Curitiba, Dilma foi defenestrada, Temer será devidamente processado e poderá, também acabar na cadeia. Jair Bolsonaro é uma esperança que essa sinistra cadeia de escroques da vida pública, que tomou de assalto os mais altos escalões do governo brasileiro seja quebrada. Porém, o exemplo dado pelo senador não parece indicar que tudo, agora, possa ser diferente.  Mas como a esperança é a última carta que descartamos no jogo da vida, vamos torcer para que os Bolsonaros não se enquadrem nos versos do velho Gregório de Matos Guerra: “Por fora, bela viola, por dentro pão bolorento”.
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 18/01/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras