João Anatalino

A Procura da Melhor Resposta

Textos


HISTÓRIAS DE AMIZADE VII
 
                                                             DAVI E JÔNATAS
                      
“Aconteceu que acabando de falar a Saul, a alma de Jônatas ficou intimamente ligada a Davi; e Jônatas amou-o como sua própria vida.”
                                                                                     I-Reis, 18:1.

 
Foi nos tempos do profeta Samuel
Que nasceu aquela grande amizade:
Vencendo as fogueiras da vaidade,
Emocionou todo o povo de Israel.
                                             
Esquecendo das próprias ambições
Seus interesses políticos renegaram;
Se amaram como se fossem irmãos,
Só no interesse da pátria pensaram.
 
Jônatas devia ser o monarca pela lei,
Pois do trono era o natural herdeiro,
Mas Deus chamou Davi para ser rei.
                                                   
Daí Jônatas renunciou á majestade,
De Davi tornou-se amigo e parceiro,
E até o fim conservaram a amizade.
........
 
Uma das mais belas e edificantes histórias de amizade é a relatada no Primeiro Livro de Reis, onde se destaca a relação entre Davi, o jovem pastor guerreiro, que depois se tornaria rei e verdadeiro fundador do reino de Israel, e Jônatas, filho mais velho do primeiro rei de Israel, o iracundo e traiçoeiro Saul.
Nestes tempos, em que a liberdade se confunde com licenciosidade, e todo mundo procura nos textos sagrados, as justificativas para seus próprios comportamentos, não tem sido poucas as interpretações no sentido de ver na amizade entre Davi e Jônatas, um relacionamento gay no melhor estilo.
Será? Bom, a Bíblia não é muito clara a esse respeito e, na verdade, a linguagem que ela usa para relatar essa amizade entre os guapos rapagões é muito dúbia. Principalmente na elegia que Davi faz de Jônatas após a sua morte quando ele diz que o amor de Jônatas “era mais gentil e amável que o amor das mulheres”.( Reis I, 1;26). Esse trecho tem sido invocado pelos defensores da comunidade gay, para sugerir que até Deus aprova esse comportamento, pois não só o permitiu entre dois dos seus mais amados filhos, como também o colocou acima até das próprias noções de hierarquia e necessidades políticas do seu povo escolhido.
Na verdade, entre Davi e Jônatas devia, mesmo, existir um forte sentimento, que excedia á própria atração erótica que se instala entre duas pessoas(de sexos opostos geralmente, ou do mesmo sexo ás vezes) e ia além da amizade comum que pode unir duas criaturas. Essa amizade, conforme se relata nos textos sagrados, superou as questões políticas, a ambição pessoal, as disputas dinásticas e todas as dificuldades que normalmente separam as pessoas e faz com que elas se tornem adversárias e, no mais das vezes, inimigas.
Normalmente Jônatas deveria ser inimigo de Davi, pois ele era o herdeiro natural do trono. Era o filho mais velho de Saul, e por sua morte deveria ocupar o trono. Estranhamente, ele preferiu apoiar Davi e se tornar seu mais ferrenho defensor, contra a ira do próprio pai, que via em Davi uma permanente ameaça à sua dinastia. Os textos bíblicos mostram um Jônatas mais interessado em conservar a amizade de Davi do quem em defender a sua própria herança.
Sem dúvida, essa é uma história de amizade de ultrapassa os padrões comuns. Não se conhece outra, onde um homem seja tão desapegado a ponto de trocar tudo pelo amor de um amigo. É verdade que entre a nobreza,  a homossexualidade sempre foi uma coisa banal. Entre os gregos, principalmente, se registram vários casos, onde essa prática era comum. O caso de Alexandre o Grande, com seu amigo Hefestion, é um dos mais emblemáticos. A homossexualidade também foi muito explorada entre os reis ingleses, sendo famosos os casos de Ricardo, o Coração de Leão e Eduardo II. Na França, além de Maria Antonieta, citam-se numerosos reis e rainhas como adeptos dessa prática.
Bom. Se Davi e Jônatas tiveram mesmo uma relação homossexual, isso não faz nenhuma diferença. Em nossa opinião, o que motiva o estabelecimento de uma ligação tão intensa entre duas pessoas é o que menos importa, no fim das contas. O amor, esse sim, é um dom de Deus, e quando ele nasce, seja de que sexo forem os personagens envolvidos, ele  merece respeito. Não precisa, obrigatoriamente, envolver relacionamento sexual.O verdadeiro amor(e a verdadeira amizade é um tipo muito especial de amor), transcende os apelos da carne.O sexo, nas espécies vivas, é uma função. Preserva a vida, pela sua multiplicação e gratifica o organismo, com o prazer que ele dá. Fazer dele motivo de discórdia e justificativa de nossos preconceitos é que é o problema. Gays ou não, o que fica dessa bela historia é um libelo á mais pura amizade.         
 
 
João Anatalino
Enviado por João Anatalino em 19/08/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras